quarta-feira, 16 de março de 2016

Por Trás de "A Verdadeira Morte" - Parte II

  Oi pessoal! Tudo bem?
  Estou numa semana meio difícil galera. A palavra "amizade" está reinando no momento, mas de diferentes modos. Semana passada mesma estava numa verdadeira morte por causa de minhas relações amistosas. Mas eu aprendi algo: quando não é pra ser, não adianta forçar a barra. Você pode até lutar por sua amizade, pois não existe nada mais forte que o sentimento, mas chegar ao ponto de sacrificar algo importante em sua vida, como sua sanidade, por exemplo, para salvar uma relação não é nada legal... Da mesma forma que não é nada legal ignorar quando os sentimentos batem na nossa porta.
  De qualquer modo, vamos deixar essa história toda de lado e focar nesta verdadeira morte. Eu estou tão animado para que vocês leiam a antologia que mal posso segurar as palavras dentro de mim. Mas já que ela só será lançada no segundo semestre, deixem-me falar um pouquinho mais sobre o meu projeto...

Equilíbrio.


  Eu comecei escrevendo fanfics românticas de Naruto, normalmente aquelas que tinham Sasuke e Sakura como personagens principais. Eram as minhas primeiras histórias, então eu ainda estava desenvolvendo o meu português, e por mais que hoje eu ainda esteja, eu tenho uma noção maior de como trabalhar uma ideia, como dividir começo, meio e fim, e todas essas coisas narrativas, então ao mesmo tempo em que eu fui criado por grandes autores, como Nicholas Sparks, eu fui criado pela experiência.
  Depois de algum tempo, eu comecei a escrever A Luz de Cada Mundo e me aventurei pela literatura fantástica e pelo RPG. Eu sabia que tinha uma boa ideia em mãos e precisava executá-la da melhor maneira possível, e foi por isso que eu fiquei um ano produzindo todo o universo de A Luz de Cada Mundo, e mais um ano escrevendo. Quando se trata de criar um mundo por inteiro, é muito mais difícil, mas eu acho que dei o meu melhor.
  Agora, eu estou me aventurando pelo meu primeiro projeto inteiramente dramático. Eu ainda não entendo o porquê de eu nunca ter feito nada verdadeiramente dramático antes, pois o drama sempre foi o gênero que mais admirei, mas qualquer um pode notar que os meus trabalhos sempre têm uma pontinha de drama, então eu gosto de dizer que todas as pontas foram um treinamento para A Verdadeira Morte.
  Digo isso porque a antologia é, com certeza, meu trabalho mais dramático. Embora tenham contos bem voltados para ação, como Gasolina, e para o romance, como Imperfeição, todos os contos são essencialmente voltados para o drama. Mas quando eu digo drama, não quero dizer aquele tipo de história que te faz querer chorar até morrer; embora existam alguns desse tipo no livro, a maioria dos contos têm como intuito nos fazer refletir.
  Isso fica claro em Armadura de Ferro, o primeiro conto lançado da antologia. É uma história sobre um rapaz que não consegue superar o trauma que sofreu em seu natal passado, quando seu melhor amigo morreu em plena ceia. A mensagem aqui, é que sempre podemos esperar o inesperado, e não podemos nos prender a traumas. Temos que seguir em frente, e esse conto reflete que não estamos sozinhos nisso, pois para escrevê-lo, busquei inspiração em todas as pessoas que conheço e que algum dia perderam alguém querido num momento inesperado.
  Outro que também gosto de citar é um dos meus contos mais recentes, Não Se Mova. Terminei de escrevê-lo na semana passada após ter rascunhado a ideia em fevereiro. Sei que ainda é cedo pra dizer, mas tenho quase certeza de que estará na antologia. Isso porque é uma história que fala sobre crescer. O quão difícil é crescer! Pois quando se é criança a gente mal pode esperar para crescer e ter nossa própria vida, mas quando a gente finalmente alcança isso, percebemos que a realidade pode ser um tanto cruel...
  É um conto para adolescentes lerem e pensarem, e para pais lerem para ter aquele toque de nostalgia. Na verdade, acho que essa antologia está bem equilibrada pela lista de contos que tenho até agora. Gasolina é um conto feito para os adultos, Não Se Mova é pensado para adolescentes, e Imperfeição é aquele que é feito para todos os públicos. Mas em geral, cada conto tem uma mensagem importante a ser decifrada, e essa é destinada a qualquer um que procure reflexão. Não é uma antologia apenas com mortes de personagens principais, e sim uma antologia que trata sobre nossos conflitos internos. Não Se Mova é um exemplo disto, bem como outros diversos contos da antologia.

  Por hoje é só galera. Muito obrigado por terem lido até aqui e podem esperar mais palavras minhas aqui até o fim da semana. Como podem ver, estou muito entusiasmado com essa antologia, e quero poder compartilha mais sobre ela com vocês.
  Ah! E aproveitando, para aqueles que estão animados com o lançamento de Imperfeição, tenho orgulho em dizer que as primeiras resenhas já saíram! A primeira é da nossa velha conhecida Miriam, do blog Prólogos e Epílogos, que ajudou a promover A Luz de Cada Mundo no ano passado e se emocionou bastante com o conto, tanto que, como ela mesma me disse, teve dificuldades em escrever a resenha. Para ela, só uma mensagem: você é uma moça de ouro e mereço o melhor Míriam. Não se preocupe tudo dará certo. (Clique aqui para ler a resenha da Miriam)
  Já a outra resenha vem do meu novo site parceiro, denominado "Parado na Estante", comandado pela incrível Érica Regina. (Clique aqui para ler a resenha da Érica)
  Até o final da semana, novas semanas irão sair do conto, então fiquem antenados aqui no blog e na minha página do Facebook para receber mais novidades!
  Agradeço novamente a você que leu e só peço para que continue acompanhando.
  Atenciosamente, Rennan Andrade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário