segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Conto #7 - Imperfeição

Oi pessoal! Tudo bem?
Gente, mil desculpas por ter ficado sem postar semana passado. Aconteceu uma grande tragédia em minha família no último dia 16, e por isso fiquei impossibilitado de postar qualquer coisa na última semana. Mas como a vida infelizmente não pode parar, hoje eu vim continuar a série Por Trás de A Verdadeira Morte, com o conto que deveria ter sido postado há uma semana.
Quem me acompanha já deve ter ouvido falar dele, mas mesmo assim hoje eu vou juntar e completar as informações para que vocês fiquem sabendo de tudo sobre esse conto - que há quase um ano foi lançado como o segundo conto da antologia. Com vocês, Imperfeição.



Confesso que falar sobre Imperfeição já se tornou algo extremamente natural para mim, pois parece que de todos os contos, esse é o que mais chama a atenção das pessoas que leem o livro ou pelo menos ouvem falar sobre ele, juntamente com Grito (de Guerra). Sendo sincero, apesar de muitas vezes eu não saber o que mais falar sobre o conto, não é o tipo de assunto que chega me cansar, justamente porque saber que as pessoas se interessaram pelo conto de tal forma me faz ter orgulho do meu trabalho como escritor, e acho que isso é importante para continuar no meio.
De qualquer forma, vamos lá! Esse conto fala sobre uma garota de dezesseis anos chamada Jéssica que é secretamente apaixonada por um rapaz chamado Arthur, mas que é tímida demais para dizer isso à ele, e o enredo mostra todas as oportunidades perdidas e como Jéssica se sente cada vez mais sufocada por não conseguir se declarar.
Paixonite é uma coisa pela qual todos nós passamos na adolescência. Porém, quando se é tímido, é difícil saber como lidar com a situação, o que é algo que eu entendo por conta dos meus anos de pré-adolescência, e eu já também já tive conversas com diversas pessoas da minha idade - ou até mais velhas do que - que comprovam o que eu digo aqui, e que é representado diretamente na história, que surgiu naturalmente quando eu fiquei tentando decifrar a palavra "amor" num dos meus momentos mais pensativos de 2016.
Foi a primeira vez que eu trabalhei com o gênero romântico desde minha época como autor de fanfics, mas acho que foi uma experiência mais real, porque com 12 anos falar sobre amor era pensar em contos de fadas, enquanto hoje em dia com 17 anos, eu já consigo ter uma ideia mais profunda do que se trata. Embora eu confesse que eu talvez nunca esteja a altura de escrever algo ao alcance de Nora Roberts ou Nicholas Sparks, eu posso dizer que dei o meu melhor nessa história, cujos elogios dados pelos leitores me emocionaram muito. Posso dizer que Imperfeição fez muito por mim e que, mesmo quase um ano depois de ter escrito esse conto, eu ainda acho essa uma história linda sobre paixão, tempo perdido e atitude, e não mudaria nada nela.
A ideia de publicar esse como o segundo conto da antologia não foi um problema. Na época, eu me lembro que a Gê Benjamin (do site Monte sua Livraria) estava com um projeto, a segunda edição do "Um dia à R$0,00", que reunia diversos livros e contos que ficariam gratuitos durante o dia 19 e 20 de março. Ela me fez o convite durante uma de nossas conversas, e, faltando mais de um mês para o evento, eu pedi para lançar um conto da minha antologia durante o evento - no caso, Imperfeição. O pessoal amou, e o conto ficou entre os 5 mais baixados gratuitamente da Amazon Brasil, e hoje o considero como uma de minhas maiores realizações, e é um incentivo para mim continuar divulgando a antologia.

Bom pessoal, por hoje é só. Me desculpem mais uma vez pelo atraso do post, prometo que não irá mais acontecer até o fim da série. Se você se interessou por Imperfeição, saiba que o conto está disponível para download gratuito até amanhã a noite (28/02) e você pode adquiri-lo clicando aqui. Você também pode adquirir Armadura de Ferro e Grito (de Guerra) gratuitamente neste mesmo período.
E até semana que vem, quando estaremos nos encontrando para falar sobre o oitavo conto de A Verdadeira Morte, o pequeno e honroso A Última Homenagem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário