segunda-feira, 6 de março de 2017

Conto #8 - A Última Homenagem

  Oi pessoal! Tudo bem? A semana de carnaval já passou e uma nova começou... Que Deus me dê energia para fazer tantas coisas, ainda nem consegui voltar ao pique de trabalhar e estudar, mas ainda essa semana irei conseguir, tenho certeza!
   E hoje eu irei falar de um conto bem curto, mas com uma história curiosa por trás. Pra se ter uma ideia, ele é o mais curto da antologia, mas ainda assim há muito mais do que poucas palavras atrás de uma história como essas. Com vocês: A Última Homenagem.


  A Última Homenagem retrata exatamente aquilo que o nome entrega: é a última homenagem, o último que uma pessoa faz em nome de outra. No caso, é a história de uma jovem garota que perdeu a mãe, e que decide fazer uma breve, última homenagem àquela pessoa que ela tanto amava.
  Algo que eu aprendi durante a criação de A Verdadeira Morte foi que a homenagem é algo que faz parte do luto. Recortes e colagens de fotos; video-montagens do entes queridos; textos com memórias sobre o falecido, tudo isso pode ser considerado uma homenagem, e num mundo com redes sociais ainda por cima, é muito comum vermos aqueles grandes textos que familiares e amigos de alguém fazem após a sua morte, o que é um ato lindo e demonstrado aqui, só que em uma profundidade maior.
   Assumo que a ideia de fazer um conto para A Verdadeira Morte com foco total em uma homenagem surgiu cedo, mas foi executado tarde. Eu pensei nisso ainda na primeira parte do processo criativo, mas só me sentei para escrever algo do tipo em março/abril. A ideia era também fazer algo um pouco mais longo, porém quando eu escrevi A Última Homenagem, eu preferi mirar em algo curto e impactante, além do que, com contos mais longos como Gasolina e A Caminhada já escritos, e com Grito (de Guerra) já na primeira revisão, eu sabia que escrever outro conto mais longo deixaria o livro bem mais longo do que eu desejava, então me veio a ideia de A Última Homenagem: um conto pequeno, dividido em duas partes, uma do funeral e outra da homenagem si.
  Fiquei incerto de onde o conto deveria ter ficado na lista de contos desde o início, e se ele sequer deveria ter incluso ali, mas quando eu estava finalizando, eu percebi que aquilo que A Última Homenagem representa não poderia ser substituído por qualquer outro conto que eu havia escrito, sem falar que, como eu disse anteriormente, é um conto curto e impactante, então pra mim era essencial.

  Gostaram do post de hoje? Espero que sim! Lembrando que ainda não acabou, pois semana que vem eu estarei de volta para falar de mais um conto, outro narrado em perspectiva feminina, mas mirando um pouco mais na morte emocional: Orgulho e Paciência. Até a próxima segunda!

Nenhum comentário:

Postar um comentário